Que o WordPress é a melhor e mais usada plataforma para criar sites e blogs incríveis nós não temos dúvidas – ok, isso vai enfurecer os mais apegados ao Joomla ou Drupal, mas é a dura realidade :P

O problema é que, com a popularização da plataforma e a enorme facilidade de instalá-la em qualquer hospedagem (quase todas têm um instalador automático, liberando o usuário até mesmo da famosa “instalação de 5 minutos” manual), alguns usuários menos experientes acabam tirando menos benefício do WordPress do que o planejado pelos desenvolvedores.

Nossa equipe editorial trabalha profissionalmente com o WordPress desde 2009, e já vimos de tudo… e SIM, há uma infinidade de otimizações que podem ser feitas, e outro universo inteiro de problemas que podem surgir no caminho, mas pelo menos 5 erros comuns podem ser facilmente evitados se você tomar certas precauções.

E como são passos mais iniciais, não exigem nenhum conhecimento de programação ou domínio avançado da plataforma. Qualquer um pode implementar isso, e mesmo deve fazê-lo! O futuro do seu site ou blog depende bastante de escolhas que você faz agora. Vamos aos erros (e suas fáceis soluções), então?

1. Escolha da hospedagem para o WordPress

Essa é clássica: como o WordPress (.org, e não o .com) é um software que precisa ser instalado em uma hospedagem, todos precisam passar pelo processo de escolher, contratar e usar uma hospedagem de sites. Usar uma hospedagem própria traz uma multidão de vantagens, como maior controle sobre a plataforma, emails do próprio domínio, backups mais fáceis, etc. Mas uma escolha descuidada pode colocar tudo a perder – e há verdadeiros contos de horror de sites fora do ar por dias, suporte que nunca responde, empresas que somem do mapa e coisas do tipo.

A boa notícia é que escolher uma boa hospedagem não é um bicho de sete cabeças hoje em dia. De fato, a própria BlogLite está entre os melhores serviços de hospedagem WordPress e pode ajudar com esse tipo de demanda.

Mas se você quer se aventurar por algumas boas horas no Google e passar pelo caminho das pedras por si próprio, aqui vão alguns fatores que não podem ser ignorados em uma boa hospedagem voltada para a nossa querida plataforma (nesta ordem de importância):

– infra-estrutura compatível e rápida, proporcional às exigências de tráfego do seu site (servidores Linux, PHP 5.5 ou superior, MySQL 5.5 ou superior, módulo mod_rewrite do Apache ativado)

– suporte bem treinado e de resposta eficiente

– armazenamento compatível com suas necessidades

– preço justo e proporcional aos recursos acima (não espere pagar preço de laranja* por um bom VPS, etc)
* com a banana caríssima, achamos que a expressão precisa mudar, também.

– serviço de migração grátis

Isso é o básico, o que se deve buscar sempre. Como sugere a lista, não comece comparando preços… deixe isso para o final. Você logo vai perceber que pagar um pouquinho mais vai trazer vantagens desproporcionalmente maiores… e com isso, mais tranquilidade também.

Já está usando uma hospedagem que não gosta? É sempre tempo de mudar. E não é uma operação lá tão complicada. Muitas empresas fazem isso por você, inclusive. Se quiser seguir nossas sugestões, terá a grata surpresa de ter seu WordPress migrado sem custo pela maioria delas.

2. Atualizações do WordPress, temas e plugins

Sabe aqueles avisos de atualização que aparecem no topo da tela do painel de controle? Pois então, há um motivo para eles. Muitas das atualizações menores corrigem falhas relevantes de segurança e estabilidade, e por isso vale a pena atualizar o WordPress, temas e plugins sempre.

Esse processo foi brutalmente simplificado com o tempo (nas versões mais recentes, atualizações pequenas até mesmo são feitas automaticamente!), e geralmente exige um simples clique para acontecer. Por isso, diminua seus riscos na web consideravelmente ao manter tudo atualizado, mas não sem antes cuidar do….

3. Backup do WordPress

Este é um ponto muito, muito, muito crítico. Nem pense em colocar seu site no ar sem ter um bom projeto de backup frequente.

É verdade que a maioria das empresas de hospedagem faz backup da sua conta, mas tenha em mente que essas cópias de segurança são para ELES, e não para você. São apólices de seguro contra desastres de datacenter. Não conte com esses backups de modo nenhum. Faça suas próprias cópias de segurança.

Há duas estratégias que você pode implementar facilmente:

– Backups automatizados e frequentes

Servem para manter cópias atualizadas do seu WordPress que podem ser restauradas a qualquer momento. Dependendo do movimento de publicações no seu site, defina um intervalo entre 1 backup/dia e 1 backup/semana. A boa notícia é que há um monte de plugins que fazem isso automaticamente, como o excelente BackupBuddy que usamos há vários anos, já (é pago, mas vale cada centavo, FUNCIONA e não tem competição à altura).

– Backups pontuais

São os backups feitos antes de grandes mudanças (antes de atualizar o WordPress, mudar de tema, ativar/desativar plugins importantes, etc). Esses podem ser feitos sob demanda também usando um plugin de backup, ou usando o recurso de backup disponível na hospedagem – no cPanel, a função “Assistente de backup” faz um backup integral de bancos de dados, arquivos do WordPress, temas, plugins, emails, etc:

4. Cuidar de SEO desde o começo

SEO quer dizer Search Engine Optimization, ou otimização para sites de busca. São metodologias em vários níveis que ajudam seu site/blog a aparecerem nos resultados de busca do Google e outros buscadores para termos de interesse. Não ignore o poder do SEO… um site bem “ranqueado”, como se diz no jargão da área, é capaz de trazer uma multidão de visitas ao seu site, sem que seja preciso gastar com anúncios. E se você vende algum produto ou serviço na web ou mesmo quer que seu site e sua marca sejam conhecidos por aí, as boas práticas de SEO são obrigatórias.

Esse é um tópico tão extenso que exigiria por si só uma série de artigos. Mas o principal erro cometido no WordPress está em não configurá-lo desde o começo para dar os primeiros passos em otimização para buscadores. Duas coisas importantes devem ser feitas:

– Mudar a estrutura de links permanentens

Por padrão, os endereços de posts do WordPress são algo como site.com/?p=123 ou site.com/2014/04/post. Mas você não quer isso… você quer algo que seja mais “inteligível” para que sites de busca indexem melhor seu conteúdo. Algo como: site.com/artigo-sobre-algo.

Mudar isso é muito, muito simples, e tem um impacto muito positivo no posicionamento de seus posts e páginas. Basta ir, no painel de controle do WordPress, a Configurações > Links permanentes e escolher a opção ‘Nome do post’:

Clique em ‘Salvar alterações’ e pronto! Um recurso bacana é que você pode editar a URL de cada post ou página na janela de edição:

Basta clicar em cima do texto em amarelo ou no botão ‘Editar’. Isso dá mais poder ainda para otimizar URLs.

– Usar um plugin de SEO

Há dezenas de opções de plugins de SEO, mas o melhor é gratuito: WordPress SEO by Yoast. É sem sombra de dúvidas o mais popular e completo plugin da área. Ele permite controlar tudo o que impacta SEO “onpage”: títulos, metatags, sitemaps, densidade de palavras-chave, etc etc. Instale, ative e familiarize-se com ele (nós temos planos para um bom tutorial, em breve!). Mesmo que você não queira se aventurar muito ainda, ativá-lo já vai trazer alguns bons benefícios para o futuro.

5. Escolha de temas e plugins

Não estou falando de escolher este ou aquele tema quanto à beleza ou propósito. A questão aqui é especificamente a origem do tema (e plugins). Por quê? Já é mais que conhecida a tática de se colocar código malicioso embutido em temas e plugins gratuitos. Geralmente esses arquivos podem ser encontrados e baixados em sites de diretórios de temas/plugins grátis. Por padrão, NÃO confie na qualidade e segurança desses arquivos.

A questão aqui não é o ser grátis – temas e plugins do diretório oficial do WordPress são seguros, no caso. A questão é que se você procurar por “free wordpress themes” no Google, vai encontrar dezenas de sites que oferecem listagens de temas grátis, na maioria dos casos muito desatualizados, infectados e versões pirateadas de temas pagos.

Por isso, baixe sempre temas e plugins de fontes confiáveis. Não importa se gratuitos ou pagos. Se você ainda não se sente confortável para tomar a decisão sobre se uma fonte é confiável ou não, considere o seguinte:

Temas e plugins gratuitos direto do diretório do WordPress: sempre confiáveis (embora nem sempre isentos de problemas, como em todos os casos). Estes arquivos passaram por revisão manual da equipe do WordPress.

– Temas pagos: prefira fontes mais conhecidas e populares, como ElegantThemes, ThemeForest, etc.

– Plugins pagos: mesmo conselho. Um dos maiores sites com plugins de extrema qualidade é o CodeCanyon. Dá pra passar umas boas horas descobrindo plugins interessantes por ali…

 

Bem, e estes foram os 5 erros mais comuns ao começar, de acordo com nossa experiência. Com o tempo vamos falar muito ainda sobre dicas para quem está começando, com tutoriais e bons conselhos de quem já passou pelo caminho das pedras antes. Visite sempre o blog da BlogLite para mais! – a propósito, a pronúncia é blog-light, como o refrigerante light, mesmo. Light de ‘leve’, porque nós achamos que WordPress não é nenhum bicho de sete cabeças quando se tem o conhecimento e as ferramentas certas ;)

Ah, deixe também suas impressões, dicas e sugestões na caixa de comentários mais abaixo! Sua participação faz toda a diferença.