Você já deve ter ouvido falar que um WordPress bem mantido é a diferença entre um site rápido e eficiente de um site propenso a falhas e invasão. Ainda assim – eu entendo! – o termo “manutenção” já traz a dolorosa impressão de que você vai ter que trabalhar mais do que gostaria para que as coisas continuem em bom estado. Se você tem vários sites para gerir, isso pode se tornar uma dor de cabeça.

Seja como for, seu WordPress precisa de manutenção. Sem isso, você estará diante de problemas que estão esperando por acontecer, e acaba sendo apenas uma questão de tempo até que algo dê muito errado e você se veja em modo de emergência para fazer tudo voltar à normalidade.

O ponto positivo é que, se feita com frequência, a manutenção do WordPress pode ser simples e rápida – e há mesmo formas de eliminar completamente esse tipo de preocupação de sua vida, como por exemplo quando você usa uma hospedagem WordPress gerenciada.

1. Atualizar é preciso

É fato conhecido mesmo entre os que estão começando a usar a plataforma: atualizar temas, plugins e o próprio WordPress não é algo opcional.

Atualizações não são apenas eventos que geram o temor de que tudo quebre ou deixe de funcionar como deveria: são males necessários para que se corrijam bugs, problemas de performance e, mais comumente, problemas sérios de segurança.

Se o seu site tem pelo menos uma dezena de plugins, você vai ver atualizações pendentes quase todos os dias. Não é necessário atualizar plugins e temas imediatamente – exceto quando a atualização corrige brechas de segurança, claro -, mas é preciso definir uma agenda fixa para a tarefa. Pode ser uma vez por semana, ou a cada 15 dias.

Atualizações do WordPress podem seguir a mesma regra. Essa parte exige um cuidado especial quando se trata de uma versão maior da plataforma, porque ela pode introduzir mudanças mais impactantes e causar incompatibilidades de todo tipo. É o caso da versão 5.0, que discutimos em detalhes em um post anterior.

Como fazer atualizações do WordPress de forma segura?

Alguns cuidados são fundamentais. O passo obrigatório, sempre, é o de fazer um backup antes de começar. Não encare isso como mais uma tarefa tediosa: rodar um backup logo antes de uma atualização permite que você possa restaurar o site facilmente caso algo dê errado, ao invés de ter de se debruçar na resolução do problema criado (o que pode ser impossível para um leigo).

Além do backup – repito, é um passo obrigatório! -, uma forma de fazer atualizações e entender como elas impactam o site de forma geral é usar uma área de testes para tal. O nome do recurso é “staging area”, incluso em boas hospedagens gerenciadas. Basicamente, trata-se de um clone do seu site que pode ser usado para desenvolvimento ou testes. As modificações que você faz ali não afetam o site principal. Quando você terminar de testar, pode aplicar as modificações no site principal de forma simples.

Nós inclusive falamos sobre como usar a staging area para criar ou refazer sites WordPress do jeito certo em um post. É uma verdadeira mão na roda!

Com a área de testes, você pode atualizar tudo à vontade e analisar se isso gera algum conflito, se houve alguma mudança visual no site, etc. Esse método torna o processo não apenas mais seguro, mas também mais eficiente e inteligente. Isso quer dizer menos tempo dedicado a resolver emergências, como quando você atualiza sem testar e é surpreendido pela “tela branca da morte”.

Como a BlogLite ajuda a manter o WordPress atualizado de forma segura

A BlogLite é uma hospedagem WordPress gerenciada – ou seja, nós cuidamos das atualizações do WordPress, temas e plugins por você, automaticamente. Nossa plataforma tem sempre um backup diário (com histórico de 120 dias), graças à nossa famosa Máquina do Tempo, então você não precisa se preocupar nem com atualizar, nem com fazer backups. Além disso, para atualizações mais críticas, testes ou desenvolvimento, você pode usar nossa função de staging area com apenas 1 clique.

2. Hora da faxina!

Agora que o WordPress, temas e plugins estão corretamente atualizados, é hora de fazer uma boa limpeza por baixo do capô – mais especificamente, no banco de dados.

O banco de dados é o componente que armazena, entre outras coisas, todos os posts, páginas, configurações e miscelânea do WordPress. Basicamente, é onde o conteúdo “mora”. Com o tempo, o banco de dados vai crescendo em tamanho e ficando menos eficiente, sobretudo quando temas e plugins de qualidade inferior o usam mal.

Esse lixo acumulado vai tornando o banco de dados maior e seu site começa a ficar mais lento. Um site pequeno tem um banco de dados entre 30 e 40Mb, mas um site maior (ou com o WooCommerce), com muitos posts, pode ultrapassar os 500Mb, e em casos mais extremos chegar a 2 ou 3Gb. Bancos de dados desse porte começam a gerar todo tipo de problema, e você precisa evitar que chegue a tal ponto!

Um dos maiores vilões em blogs, por exemplo, são as revisões de posts. Cada vez que você começa ou edita um post, o WordPress armazena uma versão que você pode restaurar facilmente. Esse é um recurso muito bom para quando você está criando o conteúdo, mas essas versões se acumulam para todos os posts já criados. É como se você multiplicasse por várias vezes o número de posts publicados – e isso tudo fica armazenado no banco de dados, ocupando espaço inútil!

Por isso, o modo mais rápido de reduzir o “inchaço” do banco de dados é apagar as revisões e mesmo limitar o número delas no WordPress.

Outro vilão são os transientes expirados – fragmentos de informação temporários, criados por plugins, temas e pelo próprio WordPress, que não deveriam ser armazenados por muito tempo. Quando um plugin mal codificado mantém transientes (expirados ou não) armazenados no banco de dados, sem critério, isso se acumula na tabela wp_options e torna a instalação lenta e instável.

A limpeza regular do banco de dados deve incluir, portanto, o apagamento do histórico de revisões de posts e dos transientes. Feito isso, vale sempre a pena otimizar o banco de dados já limpo. Você pode executar essas tarefas por meio de plugins, como o Optimize Database after Deleting Revisions, sempre que precisar.

Como a BlogLite ajuda a manter o WordPress “limpo” no dia a dia

Como parte dos serviços gerenciados, nossa equipe mantém seu banco de dados sempre limpo e otimizado. O trabalho pesado é feito já durante a migração, com a limpeza, otimização e adequação do banco de dados feita manualmente por um especialista. Depois disso, seu site recebe manutenção frequente nesse sentido para que sempre esteja na melhor forma, sem que você precise fazer nada.

3. Mantenha tudo em velocidade máxima

Velocidade de carregamento é uma métrica importantíssima para qualquer site. Todo mundo detesta sites lentos, e isso tem um impacto direto no desempenho do seu negócio e nos resultados que são importantes para você.

Como parte da manutenção do seu site, você deve se preocupar com o tempo de carregamento e em elementos que influenciam nesse sentido.

Há duas frentes para o problema: (i) otimização voltada para como o site é visto pelos visitantes, e (ii) otimização voltada para como a plataforma funciona internamente.

A primeira frente tem a ver com como o navegador do visitante lê seu site e o exibe. Estamos falando de imagens de dimensões e tamanho (em Kb) adequado, CSS e JS otimizados, minificados e concatenados, etc. Você precisa ter o hábito, por exemplo, de enviar imagens em dimensões próprias para a web, e otimizá-las antes disso. Não seja o tipo de pessoa que usa fotos de 20Mb na página inicial – é chocante o quão frequentemente nos deparamos com isso! Imagens pesadas levam mais tempo para carregar, sobretudo em dispositivos móveis, e a experiência de quem visita é péssima. Ninguém quer liquidar o plano de dados do celular visitando seu site, ou perder tempo esperando a página finalmente carregar.

A segunda frente, ligada a como a plataforma funciona, tem relação direta com o serviço de hospedagem que você usa. Hospedagens de baixo custo têm desempenho sofrível, e não adianta quantas otimizações e limpezas você fizer, isso não vai melhorar. No fim das contas, você precisa que a parte mais fundamental, o hardware que efetivamente processa o PHP e o banco de dados que dão vida ao WordPress, seja de qualidade e de alto desempenho.

A primeira frente pode ser resolvida com plugins de otimização de imagens e de scripts; já a segunda só pode ser resolvida através da escolha inteligente do seu parceiro de hospedagem. Em muitos casos, apenas migrar para uma hospedagem de qualidade deixa o site 3x ou 4x mais rápido, mesmo antes de aplicar as tarefas de manutenção de que estamos falando aqui.

Como a BlogLite ajuda o seu site a ser rápido, sempre

Nós temos uma verdadeira obsessão com alto desempenho. Por isso, nosso ambiente é 100% cloud, com soluções customizadas e voltadas para o máximo desempenho do WordPress. Na BlogLite, além de hardware premium, nós cuidamos da otimização de imagens, arquivos CSS e JS, CDN e cache por você. Todo o trabalho pesado é feito por nossa equipe de experts, nos bastidores, sem que você precise levantar um dedo e sem criar complexidade no seu dia a dia. Nós cuidamos da complexidade, você cuida do conteúdo. Simples assim.

Rotina e prevenção: a chave para um WordPress bem mantido!

Para amarrar tudo o que falamos aqui, as boas-práticas de manutenção se resumem a dois elementos: prevenção e rotina!

Ao atualizar e otimizar proativamente sua instalação do WordPress, você evita os problemas mais comuns antes que eles possam acontecer. E, ao fazer disso uma rotina, você garante tranqüilidade no longo prazo para você ou para os clientes cujos sites você administra. É o melhor dos mundos, e você pode começar ainda hoje ;)